domingo, dezembro 23, 2007

Hô! Hô! Hô!

Morri de rir! A mulher esfaqueou o marido porque ele abriu o presente de Natal antes da hora, simples assim. E eu, que passei anos ao lado do meu, pensando em “esfaqueá-lo” todos os dias... Quer dizer, todos os dias não... No início queria matá-lo, mas apenas de amor. Ali pelo décimo primeiro ano de casamento, no entanto, bastava ele olhar pra um presente qualquer – e nem precisava ser de Natal – que eu já pegava uma faca de carne e conjeturava olhando para ele com aquele olhar assassino, sabe qual é?

Mas nada fiz. Aliás, fiz sim, quinze anos de análise e três anos de tratamento psiquiátrico, enquanto ele, o marido, achava o nosso casamento normal e se refastelava com outras mulheres e com sua vida própria, de futebol e chope com os amigos, com seu trabalho e, eventualmente, com seus filhos – que ele jurava serem as pessoas mais importantes na vida dele. Finalmente larguei ele pra lá, livrando-nos de uma tragédia.

Sei, minhas amigas (e meus amigos, é claro!), que essa vida não é privilégio meu, e cada vez que leio uma coisa assim, tenho mais certeza disso. Quem sabe por aí, entre as minhas leitoras (e leitores, é claro!) não se encontrem alguns que, ainda que secretamente, já não tenham pensado em dar pelo menos uns socos no amor da sua vida?

Mas não pode, tá? Isso aí é violência doméstica, coisa que vale tanto para homens quanto para mulheres. Mulher também não pode bater no marido não, senão “vai pagar cesta básica” como acontecia quando um homem batia numa mulher. Aliás, isso mudou. Agora quem bater vai pra cadeia mesmo. Por isso, meninas, nada de violência com eles.

A historinha do presente de Natal que mencionei ali em cima aconteceu nos Estados Unidos e, acreditem ou não, com um casal recém-casado, unidos em matrimônio em setembro de 2007. Fico eu pensando aqui e imagino que você também deva estar pensando: o que era o tal presente? A reportagem não informa, mas a gente pode tentar descobrir. É só responder: o que levaria alguém a uma atitude extrema?

Deixo aberta aqui esta brincadeira, dando eu o primeiro chute: acho que o presente era um vibrador no formato de Papai Noel.

E você o que acha?

Clica aí embaixo em “comentários” e deixe a sua sugestão. A mais original será o tema de uma próxima crônica aqui no blogue. Prazo para comentários até 2 de janeiro.

10 comentários:

Anônimo disse...

um par de algemas??? isso foi d++,bjsss

Jaci disse...

uMA BOMBA RELÓGIO,COM O HORÁRIO DE EXPLODIR MARCADO PARA ÁS 12:01 DO DIA 25 HORA DE ABRIR OS PRESENTES, E ELE ESTRAGOU A SEUPRÊSA!!!!!!

Casti disse...

Elementar, minha cara Morgana. O presente era a própria sogra embrulhada para presente. Já imaginou, aquela coisa toda queridíssima durante todo o ano saindo embrulhada para presente.

Graça Damasceno disse...

Um vidro de remédios contendo calmantes.

zangela_oliveira disse...

Minha Cara Morgana, há 13 anos atrás, passei por pior que vc com o Pai do meu filho, abandonei o lar, pq apanhei na cara dele,e há 13 anos atrás, só nõ perdi meu filho, meu emprego e minha vida, e olha que começei a trabalhar com 15 anos.Tudo que constitui ele a familia dele destruiram.
Perdi casa, terreno, conta em banco,carro, aplicação em RDB e em dolar.
Ele pediu demissão da TELERJ(na época era auto funcionário), montei um loja para ele de implementos para plantas e jardins)qdo abandonei o lar ele e a familia dele tiraram tudo de dentro da loja, e ainda deixou 10 meses de aluguel, de imposto e divida de mercadoria, mais um dívida do adicional do cartão de crédito do Banco do Brasil(dívida esta que renegociei com o banco de R$ 12.000,00 - e isto há 13 anos atrás-divida que era descontada dda minha conta-salário) e eu funcionária do Poder Judiciário (Secretaria de audências) de Secretria sentei no banco de Ré no órgão que trabalhei há 23 anos e estou aposentada há 4),pois ele ainda teve coragem de entrar com uma reclamação trabalhista alegando ser meu empregado na loja que eu montei pra ele) e na Vara de Familia fiu intimada, eis que o mesmo requereu o pátrio poder do meu filho( na época menor com 6 anos de idade) ou seja reitrar um menor do País, alegando ser eu prostituta e desequilibrada mental.
Depois de tantas dividas, tive que vender , aliás ele vendeu um fusca meu e um fuscão que at´hj não sei onde está nem o dinheiro, nem os carros, vendi uma area de terra de 2.100 ms2 na época cada terreno valia R$ 12.000,00 e eu vendi cada um por R$ 5.000,oo, a perder de vista, para quitas as dívidas e para que, meu filho não deixasse de estudar no CEM (colegio este que ele estudou dos maternal até terceio ano do segundo grau), Plano de Saude (Unimed´que temos até hj) e um Fiate que ná epoca fui comtemplada
em um Consórcio da Fiat (o qual vendi com um mês de uso mais o seguro da Sul América) pela metade do preço), o que me levou a tratamento neuro-psiquiatrico(com altas dosagens de rme´dios), sidrome do Pânico e do Medo).
Hj vivo da minha aposentadoria( e diga há 13 anos sem aumento de salári), vendendo avon, natura, bijuterias, fazendo artesanato, com um filho de 19 anos que mora atualmente no Rio, que faz teatro, escreve, pinta, desenha, borda, trabalha como voluntário no INCA como drs. da Alegria uma vez por semana, trabalha como vendedor em uma loja de roupas do Rio Sul, está tentando a Escola Técnica de Teatro Martins Penna, inscrito no SATED, sempre fez teatro na escola(CEM), já apresentou várias esquetes pela Região dos Lagos afora, inclusive no RJ, faz curso de gaita, de pernada de pau(tudo 0800), faz publicidade na UVA no RIo , com bolsa de 50% (com a nota do ENEM), no ano passado conseguiu uma vaga em curso popular pré-vestibular na UFF e ao procurar o Pai e o irmão(que é padrinho dele e está muito bem de vida) , o Pai o fez sair do curso da UFF começou a pagar um Curso Pré-Vestibular no Assis(em Niteroi) e pagou apenas 2 meses, (e ai nem UFF e nem Assis) a décima pessoa com que ele vive, deu de presente para o meu filho um jogo de lençol e dois travesseiros. A pensão? Ah ficou em aberto, aguardando a Justiça que ele retornasse caso arrumasse um emprego. O Processo foi arquivado???RSSS.(Coitado, nunca mais trabalhou...vive encostado)..rs..parasita..acho eu...
Eu e eu (segundo ele) funcionária do Poder Judiciário, durante 13 anos só lá, Secretaria de Audiências( segundo ele prostituta e desequilibrada mental) aposentada por tempo de serrviço há 13 anos..
Faço análise há 8 meses... há 13 anos..sozinha..nunca mais tive ninguémmm.hoje estou me livrando da ostra na qual vivi...dos medos..das angústias..das sindromes..dos medos..da raiva.da magoa.da trsiteza. me abrindo pro mundo..pra vida..para a felicidade..
para a paz..para o amor...(Vc já viu alguma prostituta..alguma desequilibrada mental...conseguir tudo isso)...Pois é...eu consegui...e ainda pretendo terminar minha faculdade de Direito.realizar os meus sonhos..ver meu filho..criado.formado...e feliz..
Este presente poderia ser...o diploma do filho dela..ou um convite de casamento..sei lá...
ou quem uma notificação judicial..o filho talvez tenha requerido toda a pensão alimenticia atrasada..agora ele é de maior..ou quem sabe a mãe..o filho..pedindo a ele perdão...

Cuca disse...

No imagonário feminino. maridos são esfaqueados a cada bobagem que fazem, principalmente quando abrem a boca! Mas...abrir o presente, é demais. Meu palpite é que seria o pedido de divórcio que há anos ele recusa ser o autor do pedido.
Mirse

Maria disse...

Morgana...acho que o presente era seu contrato de sociedade com a ZANGELA ...com um pequeno bilhete...que ele não poderia abrir antes ou até o Natal...entenderia e fugiria...

zangela oliveira disse...

Ou talvez..fosse a rescisão do contrato com a Zangela..para deixá-la em paz...ou uma cobrança atrasada...

zangela_oliveira disse...

zangela_oliveira disse..ou seria uma notificação judicial..para pagamento de toda dívida a .sob pena de prisão...

Permanente disse...

Hahahahahahahha...
Fico com a sugestão da Jaci.

Zangela, você devia escrever um livro e disponibilizar "diGrátis" na Internet, com o nome completo do infeliz...rs

Bom 2008 a todos.

Beijinhos carinhosos